Sustentabilidade e matrizes energéticas… O grande golpe…

Acabo de participar de uma conferência sobre energias renováveis em uma universidade aqui em São Paulo. Tudo muito bonito e preocupante. A dependência humana da energia elétrica é imensa, nada é feito hoje sem ela. Porém o que me ocorre é a questão anterior ao problema e ao discurso inflamado dos ecológicos. Todas as energias são impostas ao povo, onde, este, é sequestrado pela necessidade e paga resgate através das contas absurdas de energia que consumimos, além da destruição ambiental. Este modelo, mesmo os que os especialistas do setor defendem, de nergia limpa e blá, blá blá em nehum momento defende a sustentabilidade do povo, nos custos que esta energia de qualquer fonte é comercializada. Pagamos muito caro, e nenhum ecologista propôs uma solução barata e acessível ou até mesmo de graça. Vai chegar um ponto de insustentabilidade de custos que será inviável para a maioria da população mundial, que ainda, infelizmente, é majoritariamente pobre. Vamos parar com este discurso eco-capitalista sem fim, e pensar de fato em algo que seja sustentável para o planeta e para a população.

This entry was posted in Mundo estranho and tagged , , , . Bookmark the permalink.

8 Responses to Sustentabilidade e matrizes energéticas… O grande golpe…

  1. me says:

    Já li bastante sobre esse assunto e vi em debates muita falácia por parte dos mais ecológicos. Mas algo que ainda não conseguiram me convencer foi sobre o não uso de energia solar no Brasil. Os principais pontos contra são os custos de instalação, a demora de retorno de investimento, e eficiência baixa se comparada a outros meios. Não vejo esses argumentos como suficientes. Ainda que nossa energia não pudesse vir 100% de energia solar, o longo prazo poderia ser interessante, ainda mais em nosso país.

    • tradingcafe says:

      Oi Me, energia está por toda parte. No canadá eles fizeram um passeio gerador de energia, é uma calçada em uma rua de alto tráfego de pedestres, o contato dos pés das pessoas caminhando gera eletricidade que é usada na própria rua para iluminação e mais. Valeu, obrigado por participar. abs

  2. J.R. Vensan says:

    Ricardo, depois de dois dias e meio sem energia e tendo que usar o carro como escriório e a tomada do acendedor de cigarros do painel como a única fonte de eletricidade, tive em primeira mão a experiência de ficar sem algo do qual se depende muito.
    A questão é que consumimos muita energia, e as fontes industrializadas das quais dependemos (carvão, hidroelétrica e petróleo) são de longe as que têm maior rendimento por unidade de energia consumida.
    Veja a energia eólica, por exemplo. Só está pegando agora no Brasil por causa dos incentivos. A energia solar, que poderia ser talvez a principal candidata para a emancipação energética dos cidadãos, acarreta o uso maciço de acumuladores (baterias), que são caríssimos (custo por unidade de energia utilizada), muito perigosos, pouco eficientes e exigem manutenção constante. O problema ainda é maior do que a solução.
    Mas, aos poucos, as tecnologias vão ficando mais eficientes e, quem sabe, um dia, tenhamos esta possibilidade de não mais dependermos dos interesses corporativos em energia.
    Por enquanto, jogar uma casca de banana no tanque do carro e sair voando por aí, só no cinema mesmo!
    Um abraço
    JR

    • tradingcafe says:

      JR,eu concordo com sua visão porém, discordo de que usamos muita energia. Energia é abundante no universo e o que me choca é sempre buscarmos a visão capitalista, não-ecológico, da proteção do ser humanoao buscarmos alternativas baratas ou gratuitas.Eu acho que o conceito de partida é errado. Tudo anda ao redor da patente do produto, dasmatrizesenergéticas… Minha visão é que deveríamos ser sustentáveis també, no conceito humano, o de preços… sustentável. Temo que um dia teremos gente reclamando que estamos respirando muito oxigênio, vamos sobretaxar pessoas altas, os narigudos e os atletas.. ou pior, alguém, patentear o oxigênio… e nos acusar de que estamos consumindo muito ar. Quando filmamos? abs

  3. J.R. Vensan says:

    Retomamos o projeto do vídeo blog na segunda feira, pode ser? Este post seria um bom assunto! Mas, olha que eu corto o microfone nas partes em que não estivermos de acordo, hem!
    :))
    Talvez algum de seus leitores tenha uma idéia de lugar para filmarmos este post. Algo a ver com energia, ou com o uso abusivo que fazemos dela (ou que fazem de nós…).
    Abraço
    JR

  4. Gus says:

    A essência do sistema capitalista é fabricar dinheiro. Segundo Paul Singer, “É a corrida generalizada atrás do dinheiro, é a competição cega das empresas no mercado, é a invenção de novos produtos, é a caça, pelos consumidores, do que “vai ser moda”, é a incessante mudança de processos e o sucateamento precoce de homens e máquinas, E é o trabalho alienado de muitos, subordinado às ordens do capital agindo às cegas que, ao agir assim, ora cria progresso, ora crise, ambos inadvertidamente.”
    Diante deste cenário é crucial para a sobrevivência do sistema criar meios que o sustente.
    Recomendo que assistam o documentário abaixo produzido por uma rede britânica e que por motivos óbvios, nunca foi exibido, mas que felizmente encontra-se disponível na net. “A Grande Farsa do Aquecimento Global”.
    youtube.com/watch?v=RDzuXPM1W3k

    • tradingcafe says:

      Oi Gus, eu acredito que nós deveríamos reformular todo o sistema. Ganhar dinheiro é bom e todo mundo tem esse direito, mas como vc sugeriu, vivemos uma grande farsa onde pagamos e pagamos, e, ainda nos empurram o medo que por sua vez nos faz pagarmos ainda mais por coisas que não deviam ser cobradas. Estamos sequestrados por um sistema e pagamos resgates diários. O que me surpreende é que pessoas supostamente inteligentes acreditam na estória e defendem essa causa com unhas e dentes sem sequer avaliar e aprofundar o conhecimento para de fato fazermos algo correto para o todo. Como aqueles que ficam me importunando com estórias de reciclagem de garrafa pet… Se garrafa pet é ruim, fechem as fábricas e pronto. Por que facbricar para depois encontrar medidas paliativas para consertar? É como o cigarro. Fumante virou bandido, é mais perseguido do que qualquer outra pessoa no planeta. Cigarro é ruim? Fechem as fábricas e pronto. Mas não, ficamos com esta lenga lenga pseudo-políticamente correta. Temos que abrir nossos olhos e olharmos o problema de frente, é tudo uma grande farsa e sem perceber nós contribuimos propagando idéias que não são nossas, vamos questionar! Como o cara que ficou promovendo esse medo do aquecimento solar… ficou bilionário em um ano com trading de créditos de carbono depois do tour du monde… Abs, obrigado por participar.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s