Previdência Privada: vale a pena?

Não. Só vale a pena se o seu empregador estiver pagando para você. De resto, você perde dinheiro. Não vale a pena. Faça o investimento você mesmo. Faça o projeto, estude os objetivos e faça a alocação dos recursos. Neste momento, em títulos do tesouro nacional.

This entry was posted in Mundo estranho and tagged , , , , . Bookmark the permalink.

4 Responses to Previdência Privada: vale a pena?

  1. H.F. says:

    Ricardo, tenho algumas dúvidas sobre Previdência Privada. Primeiramente gostaria de saber se para alguém que quer deixar um grande recurso de herança, vale a pena a previdência, no sentido de que este capital não entra em inventário, portanto não incidem impostos sobre ele e a mordida do leão não é brincadeira. Outra questão é a diferença entre VGBL e PGBL, qual a diferença maior entre eles? Coincidentemente ouvi de dois gerentes de bancos (diferentes) que o valor de um imóvel que vendi, deveria ser alocado em Previdência Privada, mais especificamente no VGBL. Claro que fiquei “cabreiro”, pois tenho uma certa aversão e uma “não empatia natural” com gerentes de bancos comerciais aqui do Brasil. Uma era do HSBC, deve ganhar bônus por cumprir metas e conseguir uma determinada quantidade de recursos para um produto do seu banco, outro era do BB, que ouvi dizer que não recebem bônus por metas, portanto não teriam interesse em “prejudicar” o cliente em detrimento de seus objetivos na agência. (não sei se essa informação procede). Portanto fiquei na dúvida já que dois gerentes de dois bancos diferentes, sugeriram o mesmo investimento como destino deste capital.
    Grande abraço!

  2. Zão says:

    Em alguns casos bem particulares, previdência privada pode ser interessante:

    – SE você tem um horizonte de bem longo prazo (mais de 15 anos);
    – SE você declara IR por declaração completa E está na faixa mais alta de contribuição, e;
    – SE você tem acesso a um plano com condições diferenciadas, em especial taxas diferenciadas de carregamento e administração. Sei que servidores públicos e algumas categorias como advogados e engenheiros têm produtos assim à disposição.
    – SE essas condições forem atendidas, então a previdência pode ser válida, mas APENAS para que você contribua com até 12% da sua renda em um PGBL. Para investir o que passa desses 12%, corra para outra coisa.

    Meu exemplo pessoal: sou servidor público federal, faço declaração completa, e sou tributado na faixa de IR mais elevada (27,5%, mas a alíquota efetiva está na faixa de 19,50%. De qualquer forma, uma grande parte da renda está na faixa dos 27,5%, e seria esse o abatimento). O PGBL permite abater da base de cálculo do IR o que for nele investido, até 12% do rendimento bruto. Na verdade, não é um abatimento, mas um diferimento, já que esse imposto será pago no momento da retirada do fundo, e incidirá sobre o principal e os rendimentos (nisso ele difere de outros fundos, que são tributados apenas nos rendimentos). MAS, se o sistema de tributação do seu plano de previdência for regressivo, então a alíquota desse imposto pago na retirada vai caindo, chegando a 10% depois de 10 anos, um valor menor que qualquer fundo de investimentos ou Tesouro Direto. Como servidor, tenho acesso a um plano de previdência que não cobra taxa de carregamento nem taxa de saída, e cobra taxa de administração de 1% a.a. se eu aplicar os recursos apenas em renda fixa, e 1,5% a.a. se aplicar parte em renda variável.

    Um cálculo rápido e não muito preciso para demonstrar onde quero chegar: para fins de comparação com outros fundos disponíveis, podemos dividir os recursos da previdência privada em principal (aportes de dinheiro, mensais ou anuais) e rendimentos. O principal, apenas pelo fato de eu aplicá-lo em PGBL, me dá um abatimento de 27,5% no IR que eu pagaria no ano seguinte (isso aplicando até um limite de 12% da minha renda). Esse principal ficará gerando rendimentos por longos anos, mas quando for retirado, será tributado. Se ele estiver lá por mais de 10 anos será tributado em 10%. Assim, em uma conta tosca, trazendo essa taxa de 10% para o presente (sem descapitalizar, para facilitar), esse fundo me daria 17,5% a.a (27,5% – 10%). apenas de benefício tributário.

    Agora os rendimentos. Nesse aspecto, um PGBL se comporta como um fundo de investimentos normal. Atualmente, estou aplicando tudo em renda fixa, e o fundo tem dado uma faixa de 10% a.a. de rendimento, já abatida a taxa de administração de 1%. Quando for retirar, me serão tributados 10% desses rendimentos, considerando que a aplicação tem mais de 10 anos. ou seja, um líquido de uns 9% em rendimentos.

    Ou seja, pelos meus cálculos (que podem estar errados. Essa é uma das razões para postar aqui, onde os colegas de mais conhecimento podem apontar possíveis erros nos cálculos), o fundo renderia a quem se enquadre em todos aqueles SE que escrevi mais acima, algo na faixa de 26,5% a.a. Podemos considerar alguma margem de erro e arredondar para 25%. Ter 25% a.a. sem se preocupar com administração da carteira me parece bastante bom, e isso porque estamos falando de um fundo que aplica apenas em renda fixa. O aplicador em PGBL pode mudar o percentual de aplicação entre renda fixa/variável a qualquer momento. Pretendo fazer isso quando o mercado derreter de vez e mudar minha aplicação para 49% RV e 51% RF, sabendo que horizonte de rendimentos da renda variável, no longo prazo, tende a ser maior que apenas renda fixa.

    Os planos de previdência têm ainda algumas vantagens não financeiras: não entram em inventário, por exemplo, podendo ser repassados imediatamente aos beneficiários em caso de morte. Além disso, pode-se embutir neles proteções como seguros de vida, a um preço muito mais em conta que se acharia no mercado.

    Mas notem, isso só é válido para quem se enquadra naqueles SE que coloquei no início, especialmente na coisa de ter acesso a um plano com taxas diferenciadas. Os planos de previdência voltados ao grande público habitualmente têm taxas de carregamento e administração escandalosamente altas, que destroem os rendimentos.

    Por fim, esses cálculos todos se referem a planos PGBL. Nunca vi vantagem em aplicar em um plano VGBL.

    Espero ter ajudado um pouco, e possivelmente ser ajudado se tiver calculado algo errado.

    Abç a todos!

  3. simone says:

    Vc é um iluminado Ricardo , vou seguir suas colocações

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s