Febraban responde, sim temos intenção de reduzir o spread bancário, mas…

Algumas coisas terão que ser feitas para que isso ocorra… “Na visão do representante dos bancos, é preciso reduzir os custos das instituições financeiras para que o “spread bancário” e, consequentemente, as taxas de juros, possam ser reduzidos. Isso passaria, segundo Murilo Portugal, pela redução do nível compulsório (parte dos depósitos à vista e a prazo que têm de ser mantidos no BC), da tributação (IOF para operações de crédito e CSLL sobre o lucro das instituições financeiras), além da regulamentação do Cadastro Positivo e do aumento das garantias concedidas – que poderiam ser, até mesmo, os recursos depositados nos planos de previdência complementar.

“Nessa reunião [no Ministério da Fazenda], nós reafirmamos o que vínhamos falando anteriormente. Que há interesse dos bancos em reduzir os spreads. No Brasil, 70% dos spreads são custos para os bancos. Existe uma confusão muito grande de que os spreads representam o lucro dos bancos. Na verdade, uma pequena parte dos spreads, em torno de 30%, representam a margem de lucro dos bancos. O restante são custos. Custos que os bancos têm de pagar. E como qualquer empresa, os bancos também têm interesse em reduzir estes custos”, declarou Murilo Portugal a jornalistas.” (fonte: G1)

Lembrando que o custo dos bancos é alto e os lucros são altíssimos, porém, não integralmente provenientes de ganhos no repasse de recursos mas também com tarifas absurdas e abusivas, cobrança de extratos, cobrança de talões de cheque que o próprio governo autorizou os bancos cobrarem. É necessário reduzir sim o spread bancário, que no Brasil atinge níveis de extorsão e agiotagem, como os cartões de crédito, cheque especial, etc. Mas o governo tem que fazer sua parte e desonerar o sistema como um todo. Se no depósito à vista o compulsório é de 55% por cento e se paga SELIC como custo, sobram R$ 0,45 para cada R$ 1,00 para ser emprestado, depois de contribuições de CSLL e outras tantas coisas e impostos. Se incluirmos a inadimplência e a falta de garantias reais, o risco é deveras alto de se emprestar dinheiro no Brasil, mas ainda assim, nem os spreads bancários abusivos e nem a maneira que o governo quer impor coisas são justificáveis por completo. Os erros estruturais de nosso país devem começar a ser atacados para que as coisas de fato melhorem.

This entry was posted in Mundo estranho and tagged , , . Bookmark the permalink.

11 Responses to Febraban responde, sim temos intenção de reduzir o spread bancário, mas…

  1. Paulo says:

    Me engana que eu gosto.

  2. Sir Income says:

    Se reduzir o compulsório, não corre o risco de aumentar o juros?

  3. Anonymous says:

    Ricardo,

    Para termos de comparação, o número de bancos nos EUA é cerca de 50 vezes maior enquanto que a economia é cerca de 10 vezes maior. Isso significa que banco no Brasil tem pouco ou mesmo nenhuma competição, aliás quase nada tem COMPETIÇÃO no Brasil – é um país cartorial. A função dos bancos tem sido principalmente arrecadar o dinheiro da população para financiar a dívida interna (estado muito grande para o tamanho da economia). Governo e bancos sempre foram sócios, haja vista que para um banco operar no Brasil precisa de uma autorização direta do Presidente da República. O ponto importante é que os sócios estão brigando e isso sugere que alguma coisa está muito ruim e vai ficar pior.

    • CHARLES says:

      Eu não vejo isso como uma briga de sócios. Essa é a tipica negociação em que se joga para a platéia, ou seja, o negócio é feito a portas fechadas mas divulga-se como motivo da decisão o que a população quer ouvir.

      Pra mim essa é a forma que o estado encontrou para continuar fazendo a economia girar adiando seu colapso devido a baixissima capacidade de consumo da população endividada ao mesmo tempo em que estatiza as dividas das familias, confere liquidez aos bancos e assume todo o risco pelos contratos podres.

      O resto é firula pra semi analfabeto ter assunto em conversa de botequim.

  4. Juliano Wagner says:

    O Brasil é o país do contra mesmo. Já não basta termos o bigmac mais caro, o corolla mais caro e até a havaiana mais cara, temos que sustentar estes bancos sofridos, que são campeões mundiais de lucratividade em seus balanços. Esta CSLL ao meu ver tinha que ser multiplicada por 5. Os bancos estão muito descontentes? Porque não saem do país? Pelo mesmo motivo que fábricas de veículos montam unidades aqui. Lucro Brasil. Tá ruim aqui? tá pior lá fora! A medida do spread bancário em minha visão foi uma boa, pois mesmo sendo contra o livre-mercado é uma medida made in brazil para um país que não necessariamente obedece e acata as leis naturais do mercado. O único jeito de alavancar concorrência neste setor é termos mais “jogadores” e com uma visão do todo, os bancos do governo, agindo a favor da população ( raro, muito raro).

    • CHARLES says:

      Concordo com tudo que você disse, mas mesmo assim atacar o centro do problema ainda se faz necessário para que as coisas mudem no país.

      Bancos, montadoras, empresarios, todos reclamam muito, e muitas vezes de bolsos cheios. Mas isso é uma cultura que o brasileiro tem, e os estrangeiros logo aprendem, de espoliar a população aferindo o maior lucro possivel, seja ele extorsivo ou não.

      Perdemos um momento histórico de elevar o Brasil a potência mundial de forma sustentável. Para nosso azar temos um governo com viés esquerdista, socialista, populista que estende seus tentáculos cada vez mais sobre todo o país.

      Somente um governo liberal que promova a competitividade e concorrência, ao mesmo tempo em que se dedique em prestar serviços tipicos e exclusivos de Estado como justiça, saúde, educação e infraestrutura poderia ter feito diferente nesse momento historico que estamos atravessando.

      O país foi iludido em consumir quinquilharias e entregar sua alma por 30 anos aos bancos por um imovel de 50 m², enquanto nada de sustentavel era construido. Era de se imaginar que esse não seria um plano de sustentação perpetuo justamente porque todo individuo tem um limite de endividamento e consumo, ao passo que o numero de individuos economicamente ativos na sociedade também é finito.

      Este é apenas o fim de uma era em que o governo não tem planos de reestruturação para direcionar o rumo do país. Simples assim!

      • Juliano Wagner says:

        concordo com quase tudo que vc falou, inclusive sobre medidas estruturais, mas no segundo parágrafo, sou obrigado a responder. Tenho dois restaurantes. Logo sou empresário. Me pergunte se possuo dinheiro sobrando.. Em recente balanço de dois anos, trabalhei feito um cavalo para pagar de impostos o equivalente a 11 meses de trabalho. Tenho “folha” e tento separar o privado do particular, tirando 1500,oo por mês, mas não consigo, pois tenho que pagar uma chuva de folhinhas de código de barra, pra trocentos órgãos que nunca vi. Fora empregados que a cada 3 meses me apresentam atestados dos mais variados motivos. Possuo os bolsos cheios de contas, isso sim. Já trabalhei na minha juventude no wallmart em Nova Jersey. Pode acreditar, lá agente é sugado muito mais do que aqui. Se trabalha muito na área comercial nos EUA. Eu não possuía as folgas e os intervalos que dou aos meus funcionários aqui no Brasil.
        ….aqui quando falamos que somos empresários, somos tachados de exploradores e ricaços. Deve ser, pois pagar 120 reais por uma cópia de contrato de 20 folhas autenticada em cartório deve ser coisa de rico. Nos EUA é de graça, no banco.

  5. arg says:

    Charles parabéns … de verdade !! Se você tiver um blog ou algo parecido me indique quwe irei acompanhá-lo .

  6. mauricio says:

    ora ora ora ora, vejam como são as coisas, quem foi que disse, no post passado, que usariam o tal “cadastro positivo” pra tentar saber mais do cliente do que ele mesmo, de modo aumentar o lucro mais ainda? hein? além disso, observem como será mais fácil arrancar as “garantias” do devedor, podem até tomar tua grana no plano de previdência? ISSO NÃO SERIA CRIME?!

    vê-se como eles querem baixar CUSTOS, e sobretudo IMPOSTOS, tais benesses seriam, PERMANENTES para os bancos, em troca de uma baixa TEMPORÁRIA de juros, e não definitiva

    basicamente, o PT vai trocar a necessidade fútil e temporária de baixar os juros na marra por causa das eleições municipais em troca irá tornar infinitamente mais fácil para os bancos arrancarem qualquer garantia ou dinheiro seu, em troca dos juros “subsidiados” pelo cadastro positivo, onde eles se reservarão o direito de te emprestar dinheiro a juros altos somente se você provar que não precisa do empréstimo…

    tá aí um excelente governo popular e socialista

  7. Rafael says:

    Sem querer defender os bancos, mas para qualquer credor no Brasil reaver uma dívida é uma via crucis. Para cobrar extrajudicialmente, tem que tomar mil e um cuidados, já que tudo é motivo para dano moral. O cara pode dar o calote na cara dura, mas se você ligar no celular dele na hora de trabalho pode virar motivo para dano moral. Judicialmente, as coisas só pioram. A legislação processual civil brasileira tende sempre a proteger o devedor. Para o credor satisfazer seu crédito são anos de processo de execução para, se encontrar um bem, e esse for penhorado e conseguir levar para a hasta, já que são inúmeras as objeções que os devedores podem alegar, desde o caráter alimentar do salário até a impenhorabilidade do bem de família. Para completar, o brasileiro deve ser um dos povos que menos preza pela boa-fé, já que você conta nos dedos a quantidade de buscas e apreensões de veículos financiados em que o oficial encontra o automóvel/moto. Na maioria dos casos, ou o cara já passou para frente (o que não poderia fazer, já que o bem não era dele) ou escondeu (já vi casos em que a pessoa enterrou o carro para o oficial não encontrar. Enfim, no Brasil, o juro tem que ser alto para compensar tudo isso, já que ser credor por aqui é uma dificuldade.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s